terça-feira, 27 de outubro de 2015

Briografia Limpa (0,12s)

... a graça habilita a alma ao exercício das virtudes.


“Quem tem força moral, reputação ilibada e briografia limpa suficiente para atacar a minha honra? Quem?” (0,05s – 0,18s)


Diuma X Dilma

O torneiro-mecânico – ex-sindicalista – ex-presidente; o príncipe – ex-sociólogo - ex-presidente ou o neto de Tranquedo habilitam-se?

Na história mediática online cabe ao espectador que se quiser ativo buscar os detalhes dos atores em suas performances.

A interpretação continua sendo o instrumento mais afiado para o exercício de uma crítica na apreensão do real mediado pela prontidão dos sentidos humanos em confronto com os polissêmicos sentidos das linguagens e imagens produzidas por humanos reais captados em mediações virtuais conscientes e/ou inconscientes. Importando ademais juntar, numa totalidade, emissores e receptores da mensagem.

Chamou a atenção a perspicácia do editor de um vídeo de 49 minutos reduzidos a pouco mais de 3 minutos na captação de 3 segundos que informam o que deve ser mais relevante no evento divulgado e noticiado.


SIC

Qual o significado do SIC a seguir? Eis a pista de toda a mensagem contida na feliz assimilação ou compreensão do observador produtor de conhecimento ativo ao vender a mensagem que capturou e democratizou de modo sutil sem abusar de didatismo ou suposições bestas e precipitadas. Ao leitor cabe o trabalho que só pode ser dele em respeito à ética e responsabilidade jornalística.

O entrechoque de interesses, visões e realidade faz desse material ouro puro ao mostrar como o velho teima em dominar o novo, com este se envelhecendo em seu simultâneo nascimento.

A palavra "vela" é um dos exemplos de polissemia. Ela pode significar a vela de um barco; a vela feita de cera que serve para iluminar ou pode ser a conjugação do verbo velar, que significa estar vigilante.”


Os que ainda se pretendem vivos haverão de velar para que os mortos conservem-se apagados, dando aos ainda não mortos autonomia para iluminar o mundo com suas próprias tochas, ou archotes.

“Os vivos são sempre e cada vez mais governados necessariamente pelos mortos.” Augusto Comte


Dilma: "Quem tem biografia limpa o suficiente para atacar minha honra?"

Publicado em 13/10/2015 às 22h26

“Ainda sob a sombra da possível abertura de um processo de impeachment, a presidente Dilma Rousseff reagiu às ameaças de impedimento em discurso no Congresso Nacional da CUT (Central Única dos Trabalhadores) na noite desta terça-feira (13), em São Paulo, questionando abertamente a integridade dos que querem sua saída do cargo. "Quem tem força moral, reputação ilibada e biografia limpa suficientes para atacar a minha honra?", disse Dilma”. Leia mais no UOL Notícias

Atualizado em 13/10/2015 às 22h41


Dilma Rousseff - Discurso no Congresso da CUT




Para que serve a ‘reputação ilibada’ de Dilma?

Josias de Souza

17/10/2015 04:36



“(...) Sob aplausos da plateia-companheira que a acolheu no auditório da CUT, Dilma enfiou no seu discurso uma frase com pretensões inconscientemente cômicas: “… o meu governo e o governo do presidente Lula propiciou e estimulou [sic] o mais enérgico combate à corrupção da nossa história.”(...)” (00.00 – 01:23)





Ex-presidente governa presidente?



OS VIVOS E OS MORTOS

Os vivos são sempre e cada vez mais governados pelos mortos” – dizia Comte.

Itararé não se conforma e responde:


“Os vivos são sempre e cada vez mais governados pelos mais vivos”.




Que Comte e Noel nos iluminem com o AMOR POR PRINCÍPIO E A ORDEM POR BASE. O PROGRESSO POR FIM.


Positivismo [Noel Rosa & Orestes Barbosa]




Positivismo
Noel Rosa
 
A verdade, meu amor, mora num poço
É Pilatos lá na Bíblia quem nos diz
Que também faleceu por ter pescoço
O autor da guilhotina de Paris

A verdade, meu amor, mora num poço
É Pilatos lá na Bíblia quem nos diz
Que também faleceu por ter pescoço
O infeliz autor da guilhotina de Paris

Vai, orgulhosa, querida
Mas aceita esta lição:
No câmbio incerto da vida
A libra sempre é o coração

O amor vem por princípio, a ordem por base
O progresso é que deve vir por fim
Desprezaste esta lei de Augusto Comte
E foste ser feliz longe de mim

O amor vem por princípio, a ordem por base
O progresso é que deve vir por fim
Desprezaste esta lei de Augusto Comte
E foste ser feliz longe de mim

Vai, coração que não vibra
Com teu juro exorbitante
Transformar mais outra libra
Em dívida flutuante

A intriga nasce num café pequeno
Que se toma pra ver quem vai pagar
Para não sentir mais o teu veneno
Foi que eu já resolvi me envenenar











Nenhum comentário:

Postar um comentário